Documentos

Desde 2008 turistas dos países pertencentes ao MERCOSUL podem apresentar apenas a cédula de identidade nas viagens realizadas entre os membros do bloco. Por isso, brasileiros não precisam levar o passaporte nem tirar visto para ir para San Andrés, podendo apenas apresentar o RG. É válido lembrar que esse documento deve estar atualizado e em bom estado de conservação, não sendo aceitas cédulas com fotos antigas.

Como não há voos diretos do Brasil para a ilha, um ponto muito importante é ficar atento aos países e ao tempo de conexão neles, pois os que não pertencerem ao tratado exigem o passaporte válido e às vezes o visto também – como no caso de conexões pelos Estados Unidos.

Sempre que viajo para fora do País eu prefiro não arriscar e levo o passaporte. É o documento mais seguro para provar a identidade e é aceito em qualquer lugar e ocasião.

passaporte

Voos

São 3 as principais cias aéreas que fazem o trajeto até a ilha: LATAM, Avianca e Copa Airlines. No caso das duas primeiras a conexão pode ser feita em Bogotá, já pela Copa ela é feita pelo Panamá.

Como saí de Cuiabá, a ida para San Andrés foi um teste de paciência à parte! Rs.

Primeiro por conta da bagagem. Confesso que economia no quesito mala não é o meu forte (prefiro dizer que sou precavida) e, diferente dos outros voos internacionais, a franquia de bagagem para esse era de 23 kg.

Achei que saindo da minha cidade não teria problemas com despacho e retirada de bagagem, mas não adiantou muita coisa. Foi uma peregrinação! Fui daqui para Congonhas (retira a mala), depois mudei para Guarulhos (despacha a mala), de lá fui para Bogotá (retira a mala de novo) e o voo para San Andrés (despacha a mala de novo) só sairia no dia seguinte (ufa!).

O gostoso disso tudo foi ter pernoitado em Bogotá. Apesar do tempo curto, 12 horas, deu para ficar um gostinho imenso de quero mais. Falo sobre Bogotá aqui.

Chegando à cidade

Antes de embarcar é obrigatória a compra de um voucher chamado tarjeta turismo para entrar na ilha. Você adquire diretamente no balcão da cia aérea pela qual está viajando.

Tarjeta turismo

Fui pela LATAM e segundo eles o valor dessa taxa varia de acordo com o aeroporto de embarque. Como saí de Bogotá, o valor era USD 34.00, convertido no câmbio do dia deu 99.000 pesos colombianos por pessoa, mas houve divergência de valores. Um casal de amigos que pegou o mesmo voo pagou um valor menor.

Após a compra, esse bilhete deve ser apresentado devidamente preenchido no momento do embarque para San Andrés, mas é somente no aeroporto regional que o cadastro do turista será feito.

É muito importante deixar esses bilhetes à mão, pois são exigidos tanto na entrada quanto na saída da ilha! No momento da chegada é destacada a primeira parte e o restante fica com você (guarde com cuidado!). A segunda via deverá ser entregue no momento da saída da ilha.

tarjeta-turismo
Foto extraída da internet.

Finalmente chegamos em San Andrés e percebemos um certo tumulto. São vários voos aterrissando em horários bem próximos, muitos passageiros impacientes e poucos funcionários para orientar.

O lugar não tem ar condicionado e como eu já disse no tópico “Clima“, as temperaturas geralmente são altas. Imagine uma multidão chegando ao mesmo tempo e tentando se organizar em fila para poder passar pela imigração? Fiquei tão impressionada que registrei o momento depois do sufoco.

É nesse momento em que você entrega a “tarjeta turismo“. Às vezes eles fazem uma pequena conferência, perguntando quantos dias vai ficar, onde irá se hospedar, qual o motivo da viagem e etc, mas é bem tranquilo.

Depois disso é só pegar as malas e se dirigir para o lado de fora do aeroporto.

aeroporto

E por falar em aeroporto, ao contrário do que eu pensei, os aviões que vão para San Andrés são grandes. Mesmo a ilha sendo pequena (26 km) e as aeronaves passarem bem próximo do mar, consegui filmar um voo chegando. Olha só!

A chegada é de tirar o fôlego, principalmente se você estiver sentado do lado direito, na janela. Já dá pra ter uma boa ideia de como a estadia vai ser incrível com tantos tons de azul!

janela

Táxi

Como mencionei ali em cima, a ilha tem apenas 26 km de extensão. A maior parte dos hotéis ficam próximos ao aeroporto, mas os taxistas cobram um preço “padrão” mesmo que a distância seja apenas de 1 km.

Paguei 10.000 pesos colombianos do aeroporto para o hotel e 15.000 pesos colombianos no trajeto contrário (estava com mais um casal e mais malas) para percorrer menos de 2 km.

Dica de ouro: Sempre combine valores antes de embarcar no táxi para evitar surpresas desagradáveis!