Documentos

Desde 2008 turistas dos países pertencentes ao MERCOSUL podem apresentar apenas a cédula de identidade nas viagens realizadas entre os membros do bloco. Por isso, brasileiros não precisam levar o passaporte nem tirar visto para entrar na Colômbia, podendo apenas apresentar o RG. É válido lembrar que esse documento deve estar atualizado e em bom estado de conservação, não sendo aceitas cédulas com fotos antigas.

Apesar disso, sempre que viajo para fora do País prefiro não arriscar e levo o passaporte. É o documento mais seguro para provar a identidade e é aceito em qualquer lugar e ocasião.

passaporte

Voo

As cias aéreas que fazem voos diretos do Brasil para Bogotá são: Avianca, COPA e LATAM. Quando pesquisei sobre valores, li a informação de que eles saiam de 3 capitais – São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza – porém quando realizei uma busca diretamente no site dessas empresas constatei que praticamente todos os voos saem de Guarulhos. Saímos de lá e quando não há conexões a duração da viagem é de 6h30 em média.

O destino final era San Andrés, então compramos a passagem pela LATAM saindo de Cuiabá. Fizemos uma conexão em São Paulo – conto esse perrengue aqui – e vimos que ficaríamos 12 horas em Bogotá. No começo achamos ruim, mas depois das pesquisas e da curta experiência que tivemos lá deu um gostinho imenso de quero mais.

2016-08-08 12.26.31

Chegando à cidade

Nosso voo chegou em Bogotá por volta das 19h e a vista da janela do avião já mostrava o quão incrível é a cidade!

Lendo um pouco mais sobre a capital colombiana percebi o quão interessante ela é. Deu muita vontade de ficar por lá, mas como não era possível, pretendo voltar para explorar aquele lugar sensacional!

Como a conexão foi no período da noite não tivemos como explorar o lugar, fazer passeios, passar perto dos pontos turísticos ou tirar boas fotos da cidade.

2016-08-08 18.22.31

Aeroporto

O Aeroporto Internacional El Dorado é muito elegante, tem uma limpeza impecável e a logística é bem funcional, mas achei que deixou um pouco a desejar no quesito restaurante. Há mais opções de lanches e cafés.

Como expliquei no post “Moeda”, só fiz a troca de real por pesos colombianos no aeroporto por não ter outra opção mais viável. Caso você fique em Bogotá procure as casas de câmbio da Candelária (Centro Histórico) que possuem uma cotação mais atrativa.

NÃO caia na pegadinha das casas de câmbio do desembarque. Aparentemente estão ali para facilitar a sua vida, mas apresentam uma taxa menos vantajosa do que empresas – inclusive as mesmas que estão no outro setor – que estão no saguão do aeroporto.

Táxi

Cuidado com o assédio dos traslados que são oferecidos do lado de fora do aeroporto e também com os preços combinados “de boca”.

Procure o guichê oficial de táxi, localizado à direita na saída do desembarque. Você informa seu destino e é emitido um voucher com o valor certo que deverá ser pago ao motorista.

Não sabia sobre o perigo de pegar táxis aleatoriamente na cidade – na rua, mas acabei dando sorte – também desconhecia o guichê oficial – e achamos um taxista muito simpático que, diferente dos outros que queriam cobrar preço cheio, ligou o taxímetro.

Dica importante: nesse caso, aproveite a internet do aeroporto para traçar a rota até o local de hospedagem e acompanhe para evitar dor de cabeça.

Mais detalhes sobre táxis no post “Como se locomover”.