7 dias em Fernando de Noronha

Noronha, um lugar para você chamar de seu!

Oi pessoal! Somos a Mari e o Rafa do @vempracacomagente e vou contar pra vocês um pouquinho da nossa experiência de 7 dias por essa ilha maravilhosa.

Como chegar:

Se você não for de Natal ou Recife, você terá que fazer uma escala em um desses lugares. As cias aéreas que voam para lá são a Gol e a Azul.

O voo para Noronha já é um espetáculo à parte e a chegada na ilha é simplesmente SENSACIONAL!

Dica de ouro: Escolha um assento no lado esquerdo da aeronave, garante a vista mais incrível!

Informações importantes:

  1. É aconselhável que você já tenha pago a taxa do Ibama correspondente ao número de dias da sua estadia, mas também é possível fazer esse pagamento na hora;
  2. Assim que chegar em Noronha, você deve se dirigir ao quiosque da EcoNoronha (localizada na praça Flamboyant) para fazer as carteirinhas. Elas são obrigatórias para o acesso ao parque onde ficam algumas praias, como Sueste e Sancho;
  3. Caso queira, faça reserva com bastante antecedência para o festival Gastronômico do Zé Maria;
  4. Se você curtir trilhas, vá até o ICMbio e faça a reserva da trilha do Atalaia, já que ela é super concorrida.

Hotel:

Nos hospedamos no Solar de Loronha e amamos demais! Por serem apenas poucos bangalôs, o serviço é bem exclusivo e o staff faz de tudo para te atender.

Nosso roteiro:

1º DIA

Chegamos por volta das 15h e fomos direto para a EcoNoronha para fazer as carteirinhas. Aproveitamos para andar pela região da pousada e descansar, pois os próximos dias seriam bem intensos e deliciosamente cansativos.

O jantar foi no Zé Maria, o famoso festival gastronômico que ocorre somente às quartas e sábados a partir das 20h e oferece, por um preço fixo, 40 tipos diferentes de pratos. Acha que acabou? Ainda tem uma mesa imensa com muitas sobremesas deliciosas. A experiência vale muito a pena!!

2º DIA

Ilha Tour

Contratamos pela pousada um passeio privativo com o guia Tony (tonynoronha@hotmail.com ou 81 9698-5841). Esse passeio custou, na época (jun/15), R$ 500,00 para o casal. Há também a opção de fazer em grupo e o valor era de R$ 130,00 por pessoa.

Como aperitivo, fomos no Mirante do Boldró. É lindo e vale a vista, mas muitas coisas melhores ainda nos aguardavam.

1- mirante do boldró

Nossa primeira parada foi na Baía do Sancho. Ela foi eleita a praia mais bonita do mundo e realmente achamos que ela merece o título! Não deixe de ir nos mirantes que são incríveis.

2- mirante do sancho

A descida pela fenda é feita em uma escadinha totalmente vertical, mas eu achei muito tranquilo. A praia tem uma visibilidade impressionante. Não deixe de nadar até os corais!

Logo depois fomos para a praia do Sueste. Lá tivemos que alugar coletes, já que são obrigatórios mesmo para quem sabe nadar (R$ 6,00 cada). Importante dizer que já tínhamos levado nossas máscaras com snorkel e nadadeiras. É possível fazer a locação do equipamento – inclusive nadadeiras – para o dia, mas acaba ficando mais caro. Tubarões geralmente são vistos nessa praia, mas não tivemos essa “sorte”. Em compensação, vimos uma vida marinha impressionante, com direito a várias espécies de peixes, tartarugas gigantescas, uma arraia enorme e um peixe galo absurdo.

Saindo de lá, fomos no mirante da Praia do Leão que é super deserta e selvagem.

Almoçamos um bobó de lagosta delicioso no Restaurante Varanda. Depois do almoço, fomos até o buraco da Raquel (várias lendas/histórias sobre) que fica muito próximo ao museu do tubarão e da igrejinha (muito linda e super vale a ida).

3 - igrejinha

Voltamos pro carro e conhecemos o pequenino centro histórico da cidade. Depois passamos pela Praia do Cachorro, Praia do Meio e Conceição.

Pegamos uma estradinha de terra e chegamos na Cacimba do Padre. Essa e a famosa praia dos Dois Irmãos.

Cacimba do Padre

O lugar é muito bonito, mas a surpresa vem ao lado. Pegando uma escadinha e um caminho de pedras, chegamos na Baía dos Porcos, que é algo de outro mundo! Um cardume gigante de sardinhas nos acompanhou o tempo todo e tiramos muitas fotos.

6- cacimba do padre para baía dos porcos

Saindo de lá, fomos ver o pôr do sol no Forte do Boldró, que tem um clima delicioso!!

7- por do sol visto do mirante do boldró

3º DIA

Deixamos esse dia para fazer o que mais tínhamos curtido do Ilha Tour. Alugamos um buggy (R$ 200,00 a diária – recomendo reservar com a locadora Morro do Farol), paramos na Cacimba do Padre e fomos até a Baía dos Porcos. Almoçamos na Cacimba mesmo, em uma tenda/restaurante.

Depois fomos para a Praia do Sancho e ficamos por lá fazendo snorkel e admirando a vida marinha com a maior calma. Voltamos para o hotel e fomos jantar no Xica da Silva. Foi bom, mas nada de extraordinário.

4º DIA

Escolhemos fazer o passeio de barco. Reservamos com a empresa Trovão dos Mares e pagamos R$ 230,00 por pessoa. Esse passeio incluía almoço e o plana/aqcua sub. Foi bem legal a experiência da pranchinha. Ela desce e sobe muito rápido.

8- passeio de barco com plana sub

Em relação à vida marinha da região, comparado a outros lugares de Noronha, acaba deixando um pouco a desejar. Voltamos do passeio por volta das 16h e fomos para o Bar do Meio. O clima de lá é sensacional! Tem uns bangalôs (R$ 40,00 o aluguel) que são uma delícia, mas, como quase tudo em Noronha, o valor das comidas e bebidas é carinho.

4 - bar do meio

5º DIA

Fizemos a trilha longa do Atalaia. Para fazê-la é preciso reservar com certa antecedência. Fomos ao ICMbio e conseguimos data para 4 dias depois, então programe-se para não deixa-la de fora!

Para a trilha longa, você deve estar acompanhando de um guia. Custou R$ 100,00 por pessoa e tem duração média de 4 horas.

A primeira parada é na piscina natural do Atalaia, que por sinal é linda demais! Ela é super rasinha e você fica flutuando durante 30 minutos (a trilha curta só envolve essa piscina). Depois seguimos nosso caminho, passamos por outra piscina, mas que já estava com a visibilidade prejudicada por causa da maré alta.

9- piscina natural da trilha do atalaia

Logo após essa piscina começa a trilha sobre as pedras vulcânicas. Durante nosso caminho, passamos por paisagens lindas e impressionantes. É um passeio altamente recomendado, mas por outro lado exige certo preparo físico. É um passeio extremamente cansativo e seu nível de dificuldade é considerado alto. No fim, não aguentávamos fazer mais nada. Rs

Fomos tomar o famoso açaí do Mundo Verde e adoramos.

DCIM107GOPRO

6º DIA

Resolvemos alugar um buggy novamente e fomos rodar mais algumas praias. Olhamos a tábua das marés e fomos nos aventurar pelas pedras do Morro de Fora para tentar chegar nas piscinas (o caminho é pelo Bar do Meio). Fomos até mais da metade do caminho, mas num certo momento as pedras começaram a ficar muito escorregadias. Recomendaria contratar um guia pra ir até lá – quem já fez o passeio diz valer muito a pena.

Logo depois fomos para a Praia do Cachorro, onde fica o Buraco do Galego. Pulamos e tiramos muitas fotos.

5- buraco do galego na praia do cachorro
11- buraco do galego

Saímos de lá e almoçamos no Flamboyant (comida a quilo de qualidade ok). O pôr do sol vimos do Mergulhão e depois fomos tirar fotos à noite na igrejinha.

7º DIA

No nosso último dia fomos até a praia no porto e eu aluguei um SUP – Stand Up Paddle, aquela prancha tipo de surf, mas mais reta, na qual temos que nos equilibrar e nos mover com um remo – que custou R$ 50,00 a hora, enquanto o Rafa ficou no snorkel. Peguei uma rajada de vento que me afastou muito da praia e, do nada, apareceram muitos golfinhos – mas muitos mesmo! Algo incrível que nunca mais vou esquecer! Eles ficaram se divertindo a 5 metros de mim, dando saltos e piruetas. De outro mundo.

Assim posso dizer que fechamos Noronha com chave de ouro, né?

 

Texto por Mari @vempracacomagente

Gostou da matéria? Deixe aqui seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar esses HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>